domingo, junho 25, 2017

José Mourinho Félix (1938 - 2017)


Faleceu José Mourinho Félix, que foi um excelente guarda-redes (V. Setúbal e do Belenenses) e um bom treinador (na 1.ª divisão treinou o Belenenses, o Rio Ave e o V. Setúbal).

O Caldas SC foi um dos muitos clubes que treinou, no final dos anos 1970, numa época extremamente gratificante para a equipa caldense que ganhou a sua série do então terceiro escalão do futebol, regressando à II Divisão.

Há um facto curioso, e especial para mim, foi ele que me escolheu nos treinos de captação para a primeira equipa de iniciados do Caldas (não tinha sido escolhido no primeiro treino que realizei, dirigido pelo Américo, antigo atleta do clube...). 

No começo dos anos 1990 entrevistei o Quinito, que era o treinador do V. Setúbal para o "Record" e acabei por falar também com o Mourinho (penso que era o secretário técnico do clube). Num clima de grande companheirismo, acabámos por falar de outras coisas, fora da entrevista - graças ao Quinito, um treinador e um homem especial... - e eu acabei por lhe contar que tinha sido ele que me escolhera para a equipa de iniciados do Caldas, onde jogara com o filho (que nessa altura era  um "desconhecido" no mundo do futebol. Penso que nessa época era adjunto de Manuel Fernandes no E. Amadora e foi na época seguinte que foram os dois para o Sporting, para a equipa técnica de Bobby Robson...) a quem deixo um abraço de condolências.

Claro que Mourinho Félix não fazia a mais pequena ideia do episódio. Sentiu-se lisonjeado e disse qualquer coisa do género: "como o mundo é pequeno"...

quarta-feira, junho 21, 2017

O Zé Povinho do Mártio


Este é o Zé Povinho do Mártio, um artista plástico do Concelho de Almada. 

Ele além de ser um bom pintor também fez várias experiências com barro, na senda do nosso Rafael, explorando a parte mais alegre da cerâmica.

(Fotografia de Luís Eme)

quinta-feira, junho 01, 2017

Armando Silva Carvalho Procurou Abrigo na Sombra do Mar...


Soube do desaparecimento do Poeta pelo Henrique, na sua “Antologia do Esquecimento" depois passei pelo site do ”Público”, onde fiquei a saber mais pormenores através da notícia que transcrevo:

«O poeta Armando Silva Carvalho morreu esta quinta-feira de manhã, aos 79 anos, no Hospital Montepio Rainha D. Leonor, nas Caldas da Rainha, na sequência de um cancro de pulmão. O corpo será velado a partir das 15h30 em Olho Marinho, no concelho de Óbidos, onde o escritor nasceu, e o funeral está marcado para sexta-feira às 17h30, também em Olho Marinho. A missa será celebrada pelo seu amigo, e também poeta, José Tolentino Mendonça.
Nascido em 1938, Armando Silva Carvalho estreou-se há mais de 50 anos, em 1965, com  Lírica Consumível. Venceu com ele o Prémio de Revelação da Sociedade Portuguesa de Escritores. A Sombra do Mar, o último a chegar às livrarias, em 2016, foi distinguido com o Grande Prémio Casino da Póvoa na edição deste ano do Correntes d' Escritas. Trata-se, possivelmente, do seu melhor livro desde Lisboas (2000) — pelo meio houve títulos como O Amante Japonês (2008), Anthero Areia e Água (2010) ou De Amore (2012).»

Ia escrever que a poesia do Oeste tinha ficado mais pobre, mas é apenas mais um lugar-comum, que até pode ser mentiroso.

Não seria nada do outro mundo que o desaparecimento do Armando Silva Carvalho despertasse no mínimo curiosidade sobre a sua obra poética…

(Fotografia de Autor Desconhecido)