sábado, março 16, 2019

O 16 para espantar o 25...

Esta é a "teoria" do meu amigo Carlos, Capitão de Abril.

Uma teoria que foi ganhando alguma consistência com alguns testemunhos de quem esteve com um pé dentro e outro fora da "intentona"...

Inclusive o próprio Otelo...

Sim o 16 foi organizado para espantar o 25. Mas teve o efeito contrário, acelerou todo o processo da libertação de um país, que estava cada vez mais estranho, e só esperou mais um mês e alguns dias para dar vivas à Liberdade.

(Fotografia de Luís Eme)

quinta-feira, fevereiro 21, 2019

Tinha Saudades do Parque...


Passei pelas Caldas hoje.

E como de costume, passei pelo Parque.

Sim, tinha saudades...

(Fotografia de Luís Eme)

quinta-feira, janeiro 10, 2019

Começar o 2019 com a Rainha...


Começo o ano por aqui, com a homenagem à Rainha D. Leonor, que recebe quem chega à Estação Ferroviária das Caldas da Rainha, através do belo conjunto de azulejos históricos (algo comum a grande parte das nossas estações...), agora que se volta a falar da "modernização " da Linha do Oeste...

Sei que está longe de ser um tema-novidade. Normalmente aparece quando se aproximam eleições. E depois da sua realização, volta para o "saco roto das promessas"...

(Fotografia de Luís Eme)

sábado, dezembro 08, 2018

O Rumo das "Viagens"...


O rumo das "Viagens", ainda que ligeiramente incerto, continua a ser o Oeste, pelo menos de alguma actualidade, e claro, memórias...

(Fotografia de Luís Eme)

quinta-feira, novembro 15, 2018

Sporting Clube das Caldas faz História


Li no site de "A Bola" que o Sporting Clube das Caldas confirmou o apuramento para os 16 avos de final da Challenge Cup de voleibol, ao vencer os suíços do Chênois no ‘golden set’, juntando-se ao Benfica, Sporting e Fonte Bastardo no quadro principal da prova. 

O seu próximo adversário é o Dynamo Apeldoorn da Holanda.

É um grande feito desportivo de um dos clubes desportivos mais emblemáticos das Caldas.

(Fotografia retirada do Site de "A Bola")

sábado, novembro 10, 2018

Henrique, Poeta e "Velocista" do Oeste...


Acabei de ler há poucos dias o livro de contos curtos, "A Festa dos Caçadores", de Henrique Manuel Bento Fialho. São mais de cem histórias, quase todas do quotidiano, dele e nosso, onde nos vão surgindo, página a página, "pessoas", "cromos", "acontecimentos", "citações", "teorias", "desabafos"... Quase sempre coisas que tropeçam em nós diariamente e que por falta de talento ou de vontade, não as transformamos em literatura, da boa, como aconteceu com o Henrique. 

Estive indeciso, se havia ou não de escrever, sobre este livro, que é a continuação de outro, com menos páginas ("Call  Center"), porque estou longe de ser crítico literário. Apenas posso dizer se gosto ou não, sem entrar muito na "desmontagem" das suas histórias, quase sempre bem escritas e imaginadas.

Mas há algo que quero referir. Ainda bem que o Henrique prefere ser, além de poeta, um "velocista" neste mundo das literaturas. Sim, ele começa e acaba as histórias mais depressa que o tempo que o diabo demora a esfregar um olho, e ainda bem. Agarra o momento, escrevendo apenas o necessário (já a minha avó dizia que "a palha é para a burra"...), o que interessa e cabe em cada uma das suas histórias deliciosas. E não esconde nenhuma palavra, mesmo as que alguns "puristas" acham de "mau gosto". 

Porque a vida é isso mesmo, uma "casa" cheia de cenas de gosto duvidoso...

quinta-feira, novembro 08, 2018

Privatizar ou Não o "Céu de Vidro"...


A Visabeira, que irá construir um hotel nos antigos Pavilhões do Parque, quer "apropriar-se" também da área onde funcionou a memorável Casa da Cultura (destruída pelo poder "social democrata" caldense...), e claro do luminoso, "Céu de Vidro", que faz a ligação directa entre o Largo do Hospital Termal e o Parque das Caldas.

Não tem sido pacífica esta passagem e discute-se aqui e ali, se o "Céu de Vidro", deve ser ou não privatizado.

Claro que não acho que deva ser privatizado, porque isso significará perder esta passagem... Tal como não há almoços grátis, também deixava de existir esta passagem, livre e agradável para todos...

(Fotografia de Luís Eme)

sábado, outubro 27, 2018

A Democracia nas Caldas está, no Mínimo, Constipada...


Na entrevista dada à "Gazeta das Caldas" (edição de 19 de Outubro) pelo líder local do PS, Luís Patacho, registei as palavras que mereceram a chamada para a capa. Ele diz:

«Em Ciência Política, quando uma força política está mais de 20 anos consecutivos a gerir, seja um país, seja uma câmara municipal, seja uma região autónoma, já não se considera tecnicamente uma Democracia. Chama-se a isso um regime híbrido. Porquê? Porque o próprio sistema não é capaz de se regenerar, de criar alternância e portanto a Democracia estará como um doente.
É o que acontece nas Caldas. Quantos mais anos está o mesmo partido no governo, mais difícil é para a oposição chegar lá.»

Obviamente, concordo com as palavras de Luís Patacho. E diria, que a Democracia, está no mínimo constipada nas Caldas (uma constipação a caminho da gripe...).

(Fotografia de Luís Eme)

sexta-feira, outubro 12, 2018

Gostei de Ver o Ferreira da Silva em Almada...


Gostei de ver o nosso Ferreira da Silva, um dos grandes artistas plásticos das Caldas da Rainha, representado na exposição, "A Luta Continua - 140 anos de Ilustração Portuguesa".


A exposição está patente na Casa da Cerca de Almada até 6 de Janeiro e tem Jorge Silva como curador.

(Fotografia de Luís Eme)

sábado, outubro 06, 2018

Mesmo não Sendo Caso Único...


Mesmo não sendo caso único, pois existem várias lojas que vendem a chamada "loiça malandra", é a única que não tem medo de quase usar um dos nomes que celebrizou as Caldas da Rainha... 

Sim, os dois pontos são o equivalente a um "piiiii" na televisão.

(Fotografia de Luís Eme)

sexta-feira, setembro 28, 2018

A Maresia da Foz do Arelho...

Alguns amigos de Almada foram até ao Oeste numa excursão organizada pela Incrível Almadense e pelo CIMO, com passagens pelas Caldas, Foz do Arelho e Óbidos.

A grande surpresa para uma boa parte deles foi o  "nevoeiro com frio" que descobriram na Foz do Arelho.

Alguns fartos deste Verão infindável, agradeceram aquela frescura atlântica, aqueles borrifos que vêm do mar e chamamos maresia... Outros nem por isso, até disseram que poderiam ter avisado, para levarem casaco...

Eu só lhes pude dizer, que se há coisa de que tenho saudades do Oeste, é do seu microclima, das temperaturas amenas e até da maresia, do céu cinzento que gosta de brincar às escondidas com o Sol e de aquele Mar único, mexido e com som, da Foz do Arelho.

(Fotografia de Luís Eme)