domingo, novembro 05, 2006

A Cor dos Dias



Nas últimas semanas o estado do tempo tem estado completamente irregular.
O azul dos dias solarentos tem alternado com o cinzento dos dias chuvosos. Mas tem sido tudo muito excessivo. As temperaturas demasiado altas para esta época têm feito o contraponto com a queda de grandes chuvadas, que têm provocado inundações de Norte a Sul, algumas das quais em lugares pouco habituados a tanta água...
Percebe-se que as nossas divisões climáticas em quatro estações distintas, começam a ficar confusas e a pedir alguns ajustamentos, pelo menos no seu início e fim...
Claro que estas alterações não são de hoje, embora sejam mais notórias nos últimos anos, porque as agressões à natureza têm sido de uma barbaridade extrema, em algumas partes do nosso Planeta (a destruição da floresta da Amazónia é um dos melhores exemplos), em nome do nosso conforto, do progresso dos países e do lucro do grande capital.
Lembro-me de ouvir o meu avô dizer que, desde que o homem foi à Lua, as coisas nunca mais foram iguais nos campos. Ele já notava algumas variações na época das sementeiras e das colheitas, com os prejuizos inevitáveis...
Claro que eu não vou tão longe.
Este texto está ilustrado com o óleo, "Inundação da Ribeira de Santarém", de José Malhoa.

6 comentários:

Maria disse...

Pois é Luís, isto tudo está em mudança. Estamos com um Portugal cada vez mais "tropical".
A frase do teu avô trouxe-me à memória uma frase de um pescador de Sesimbra que me disse, olhando a lua, no exacto dia em que os 3 homens alunaram, em Agosto de 1969:
"Mas como é que eles podem estar lá em cima? Aquilo caía logo cá em baixo com o peso..."
E ainda outra:
"Mas se eles estão na lua, onde é que vão dormir? Não há lá hotéis..."
É com muita ternura pelos velhos lobos do mar que escrevi estas frases.
E é fantástico o que o Mundo evoluiu nas últimas décadas, foram "saltos" enormes. Basta pensar nos primeiros processadores de texto ou nos velhinhos computadores (programação, perfuração, etc.), e ver hoje como é fácil navegarmos por todo o lado.
Os teus posts têm o condão de me fazer voltar atrás no tempo!
Um resto de bom domingo

mfc disse...

Começamos por deixar de ter as meias estações... agora temos estações que melhor ficariam noutras latitudes!

Sininho disse...

Pois já no tempo do José Malhoa, a ribeira de Santarém inundava.
Grande inspiração seria, hoje, para ele, o Nabão a inundar Tomar...
A, sempre crescente, procura de conforto a qualquer preço e sem olhar a meios, dá na degradação acelerada do meio ambiental.
O futuro...ao diabo pertence.

Luis Eme disse...

Pois é Maria, caminhamos para a "tropicália"...
Boas frases dos pescadores de Sesimbra...

Luis Eme disse...

Pois é MFC, isto está a ficar de pernas para o ar...

Luis Eme disse...

Sininho, gostei dessa, de que o futuro... ao diabo pertence.
Vamos lá ver se ainda vamos a tempo de lhe trocarmos as voltas...