domingo, abril 27, 2008

Os Jardins da Família de Salir de Matos

Um dos motivos de orgulho da nossa família era o jardim da casa da avó, sempre muito bem cuidado pelo avô e tão elogiado pelas pessoas que passavam pela nossa rua, a caminho da igreja de Salir de Matos, com vontade de colher uma ou outra flor.

Os dotes do avô, felizmente tiveram continuidade.
O jardim da casa dos tios Zé e Lurdes, é um mimo de se ver, cheirar e sentir, tal é a variedade de flores e plantas, ao qual nem falta um pequeno lago, com peixes e rãs, que são o encanto dos mais pequenos...

Este jardim não é tão apreciado como o do avô, apenas por estar mais resguardado dos olhares públicos, que o da velha casa da avó...

14 comentários:

Maria P. disse...

Estes recantos cheios de histórias são belíssimos sim...


Beijos, Luís M.

Nia disse...

Jardins..e flores e flores...
Vim aqui atraida pelo cheirinho destas tuas flores.
Este fim -de-semana que passou andei por Dornes, Constância, Arredores de Tomar...e, pelos caminhos, eram "rios" de papoilas e malmequeres...lindooooooo!
E lá mais em baixo mas perto, rios de verdade com cheiro a peixe e a pedras molhadas...
Volto e pronto..aqui estás tu com esta beleza toda para o olhar, para o sentir, para o cheirar! :)

Anónimo disse...

E se eu lhe dissesse que conheci o jardim do seu avô e até colhi rosas vermelhas da roseira grande da parede?

É sobrinho do Zé e da Ilda não é?

Parabéns pelo seu bom gosto e por escrever estas coisas, simples e bonitas.

Ana

gaivota disse...

e o quintal da minha avó Tá, tinha de tudo um pouco...
em caldas da raínha, até os netos que brincávamos por lá, as flores, a nespereira, os limoeiros, as galinhas,os coelhos...
beijinhos

APC disse...

Nas Caldas... Havia um casarão... Dos tios... Tios afastados na linhagem, próximos no contacto. Ficava em frente a uma escola, e já não sei lá ir dar. Era fresca, fresquinha, com um longo corredor e uma passadeira de linóleo e, ao fundo, na marquise ensolarada, havia uma avenca gigante a entrecortar a luz com graciosidade...
E eu tinha um baloiço no quintal florido! :-)

Anónimo disse...

Muito obrigado pelas fotos e commentarios.
Ja agora: tem alguma foto da fonte de abobeda de salir de matos antes do "restauro" ? So encontrei ate agora uma tela da autoria de Jose Sobrinho.

Cumprimentos,

S. Santos

Fragmentos Culturais disse...

... aos jardins de família se prendem sempre doces encantos e memórias profundas...

Luis Eme disse...

belos e cheirosos, M. Maria Maio...

Luis Eme disse...

gostei de te ver por cá, Nia.

espero que tenhas levado uma flor do jardim...

Luis Eme disse...

A velha roseira vermelha...

falei dela ao meu tio Zé, se ele tinha fotografias só da casa com a roseira, mas ele disse-me que não.

Dantes só se tiravam fotografias com pessoas dentro...

apareça sempre Ana

Luis Eme disse...

e agora o campo está cada vez mais distante das Caldas, Gaivota...

Luis Eme disse...

nas Caldas ainda há muitos lugares encantados, APC...

Luis Eme disse...

Não tenho, S. Santos...

apareça sempre

Luis Eme disse...

é verdade "fragmentos culturais"...