quarta-feira, outubro 08, 2008

Os Filmes, os Livros e a Vida...

Todos nós sabemos que há muitas maneiras de se começar ou acabar uma conversa.
Nunca pensei que a nossa se iniciasse com os filmes que já não vemos, naquele reencontro próximo do Chiado.
Quando me perguntaste se ainda ia muito ao cinema, devias saber a resposta... não, claro que não.
Nem sequer me desculpei com os DVD's, com as pipocas ou com as salas minúsculas dos tempos modernos.
Pensar que o cinema foi um bom tema de conversa, para te recordar uma frase que me disseste no começo dos anos oitenta. Foi a primeira vez que me disseram, com convicção, que: «Os filmes são sempre tão diferentes da vida...». Respondi apenas, «alguns...», como tinha sido o caso do filme novelesco que tínhamos acabado de ver, no desaparecido "Estúdio Um", nas Caldas da Rainha, com um daqueles finais felizes que não há...
Ainda insisti, que sempre existiram filmes feitos de pedaços de vidas. Tu abanaste a cabeça, acrescentando: «os filmes são feitos apenas de sonhos ou pesadelos.»
Perguntei-te se ainda era teimosa. Sorriste e disseste que sim, que há coisas que não mudam...
Lembro-me bem da moça que agora é uma mulher madura, e estava ali, a meu lado, desviar a conversa para o mundo dos livros, que podiam demorar meses a serem lidos e nunca apenas a hora e meia a duas horas em que a fita era exibida na sala escura e silenciosa. Eles sim, tinham uma intensidade dramática mais próxima do nosso dia a dia, da vida...
Tu não te lembravas de nada, daquele filme e da nossa conversa.
Eu continuava a pensar que, talvez os filmes não sejam assim tão diferentes da vida. Depende apenas do realizador...
Pois, é que a vida também é feita de sonhos e pesadelos.
Tu sorriste e disseste que sim...

23 comentários:

Elsa Martinho disse...

«Quem sonha de dia tem consciência de muitas coisas que escapam a quem sonha só de noite.»

Edgar Poe, "Histórias"

Gosto de sublinhar certas palavras ao ler, estas foram sublinhadas em tempos idos, agora recordadas aqui, graças a este post, de excelente reflexão.

Um abraço.

as velas ardem ate ao fim disse...

Pois, é que a vida também é feita de sonhos e pesadelos.
Tu sorriste e disseste que sim...


a mais pura das verdades.

um bjo

Lúcia disse...

Terno post, Luis. Uma coisa é certa: certos filmes permitem-nos sonhar. Como certos livros. mas, quase sempre, encontramos pedaços de vida, das nossas vidas, em momentos de papel ou tela.
Beijos

joana disse...

E ela sabe que tens um blogue, onde escreves estas coisas, Luís?

Paula Crespo disse...

O Sérgio Godinho sempre foi muito inspirador... como os filmes ;)
Bjs

Anónimo disse...

RECOMENDO VIVAMENTE AOS VISITANTES DESTE BLOG QUE SE DESLOQUEM AO AUDITÓRIO DOS PIMPÕES,NA PRÓXIMA SEXTA-FEIRA 17 OUTUBRO PELAS 21H30 PARA ASSISTIREM A UM ESPECTÁCULO DE GRANDE QUALIDADE
"IN-CANTO " - LUISA AMARO
Guitarras Percussão e Dança Oriental.

Compareça

gaivota disse...

olha o tu agora vens lembrar...
a vida também tem sorrisos e diz-se que sim...
beijinhos

Anónimo disse...

Boa Noite

aconselho vivamente que assistam ao espectáculo é de muito bom nível

Cris Caetano disse...

De sonhos, pesadelos, encontros e desencontros... :)

Beijinhos

Luis Eme disse...

é verdade Elsa...

Luis Eme disse...

pois é, Velas...

Luis Eme disse...

pois encontramos, Lúcia...

Luis Eme disse...

isso agora, Joana...

Luis Eme disse...

o Sérgio é aquela máquina, Paula...

Luis Eme disse...

e eu recomendo que além da publicidade, deixem também uns bilhetes reservados na bilheteira para as "Viagens"...

Luis Eme disse...

eu sou assim, Gaivota...

Luis Eme disse...

também, Cris...

Nia disse...

E eu também digo que sim e acrecento: a vida e os filmes ,são os pesadelos e os sonhos e os "assim-assim" também.

Luis Eme disse...

esqueci-me dos assim-assim, Nia...

Lóri disse...

Que bom voltar cá e encontrar matéria para concordar contigo, meu querido Guardador.
Penso que sim, os filmes são feitos de tanta coisa parecida com a vida e de tanta coisa que nada tem a ver, mas que, talvez por isso, tenha tudo a ver, pois a vida é, na maior parte do tempo, "stranger than fiction", outro título de filme. E como dizes mt bem, depende sempre do realizador.

Beijo cinematográfico que eu não me desculpo, e embora não vá ha tempos a um templo de telona, sempre dou um jeito de descolar um dvd na esquina de casa. Hoje foi dia de algo muito parecido com a vida, com gente pobre, desgraçada, crianças assassinadas, carnaval, alegria, partilha, desejo... pena que dificilmente vá passar por aí, e mesmo que passasse, tu não o verias, por certo.

Luis Eme disse...

o cinema é assim mesmo, Lóri, confunde-se com a vida...

ivone disse...

como é hábito cheguei mais uma vez atrasada. consumidora crónica da sétima arte permite_me discordar quando dizes que "Eu continuava a pensar que, talvez os filmes não sejam assim tão diferentes da vida. Depende apenas do realizador..." depende essencialmente de nós. já vi ene vezes o mesmo filme em fases diferentes da vida e tocam_me de maneira diferente desligadamente de quem seja o realizador. aí esse papel é um pouco meu. depois há os eternos. as longas metragens que nos ficam na memória.retendo_as de igual modo independentemente das fases.


e os reencontros próximo do chiado ficam nessa memória também...

bem haja pela partilha

Luis Eme disse...

claro que não chegaste atrasada, Ivone.

sim, depende de nós, mas também do realizador, se for realista ou fantasista...