quarta-feira, maio 09, 2007

Verão em Maio


Este Maio está irresistível.
O calor aperta, ao ponto de nos apetecer dar uma saltada à praia e mergulhar nas águas do Oceano.
Nunca vivi demasiado longe do mar, antes estava a dez quilómetros da Foz do Arelho, agora estou a uns treze, catorze, da Costa de Caparica.
Não sei explicar muito bem porquê, mas nunca considerei a Costa de Caparica a minha praia.
Invento que a areia é demasiado fina e o mar demasiado doce...
Mas não é só isso... sinto sempre a falta da bravura do mar da Foz do Arelho, dos mergulhos por cima das ondas, das mil e uma brincadeiras, partilhadas com os amigos da infância, adolescência e principio da vida de adulto.

16 comentários:

alice disse...

já para não falar das magníficas propriedades de iodo dessa praia. sem dúvida muito saudável. há lugares que fazem bem ao corpo e à mente. pena estarem longe de mim...

Sininho disse...

Então esse mar é demasiado doce?
Livra!
Os senhores do parque de campismo...serão da mesma opinão?...
Oxalá o bom tempo tenha vindo para ficar.

Nia disse...

E eu tenho medo do mar bravo assim como aqueles que tu gostas.Só gosto do mar quietinho para nadar mas gosto (apesar de olhar para ele de soslaio por falta de confiança) dos bravos para me sentar perto e ficar a olhar para ele.Mas gosto de praias quando não têm aquela "gentona" toda porque me dá uma sensação de claustrofobia.Assim sendo, fácil é de imaginar que no Verão só vou durante a semana à praia (aqui pertito), fins-semana nem morta e nos outros dias, quando vou , ando sempre com as horas ao contrário (ou eu não "morasse" no Tic Tac Avariado!)....vou quando quase toda a gente já foi...e volto quando quase toda a gente já regressou.

Luís Éme...gostei "daquelas" tuas palavras e gosto do bocadinho que conheço de ti.

Tenho um novo blog porque não consigo entrar no do Sapo.É o Tic Tac Avariado II.

http://niaf7.blogspot.com/

Maria P. disse...

E areia da Foz...também é mais a minha praia, gosto da Costa no inverno.

Beijinho, de Maio!

Luis Eme disse...

Tens de te ir aproximando Alice...

Luis Eme disse...

Sininho, os campistas têm medo é das "marés vivas"...

Luis Eme disse...

Também me faz confusão a Costa de Caparica no Verão... e claro que não vou à praia ao fim de semana, Nia...

Só as dificuldades em lá chegar e estacionar o carro... (o estender a toalha também é complicado, quando a maré está cheia...)

Vou visitar-te, daqui a nada...

Luis Eme disse...

Eu também Maria...

Maria disse...

O mar da Foz é único... pela sua bravura e pela sua beleza.
O da Nazaré também é bonito, mas o da Foz...
... será por ter sido o primeiro amor, de pequeninos?

Um bocadinho mais ao lado e via-se a ilha...

Luis Eme disse...

Provavelmente é por isso Maria.

Dizem que não há amor como o primeiro... e além disso o nosso mar da Foz fala connosco, o que acontece noutras praias, mais calmas...

Luis Eme disse...

Queria dizer: «o que não acontece noutras praias, mais calmas...»

Dulce Alves disse...

Luís,
o mar de que sempre também vivi perto está imensuravelmente mais longe nesta Lisboa ardente em princípios de Maio... ..

E aos fins de semana, quando posso rumar até ele, ele parece-me menos bonito... tantas são as gentes que o "ocupam".

Mas aqui pelo Oeste há areais menos concorridos que valem bem mais a pena (mais que Foz de Arelho, S.Martinho, Nazaré ou S.Pedro de Moel...)... Se quiser perder-se por alguns, avise, que eu mando-lhe o roteiro! ;)

Teresa David disse...

Tenho uma relação complicada com a Costa. Aos cinco anos, embora vivesse em Lisboa, vinha com meus pais passar o verão á Costa e fui pescada quase morta. Até hoje não consigo entrar naquele mar. Vou até á praia da Bela Vista onde duas ou três vezes consigo nadar. Mas prefiro ir para as praias de Setúbal onde não tenho necessidade de estar apavorada pelas ondas. Aliás a Costa que conheci em menina há mto que não existe, o que a torna angustiante.
Já tenho nova história.
Bjs
TD

Luis Eme disse...

A Costa é a praia da grande Lisboa, e como tal, são aos milhares pelo areal fora...

Também não tenho paciência para levar com tanta gente, Teresa.
E os acessos são uma tristeza, como todos nós sabemos...

Já li e comentei, a história do grande Manuel da Fonseca.

Ida disse...

Engraçado, gosto da descrição da "tua" praia e me faz lembrar que temos todos a "nossa" praia. A minha é tb a uns 12km de casa e eu vou lá em qq altura do ano, mas na falta desta, serve-me qualquer uma. O cheiro do mar me acalma, me traz energia e olhá-lo me tranquiliza, mesmo qd está bravíssimo, mesmo que seja inverno na Europa. É como um outro ser. Qd andava triste ou sem energia, ia sempre para diante da Foz do Douro e retomava o prumo depois de uma dose de no mínimo meia-hora a aspirar o ar e a vista.

Tens bom gosto. Não ligo nenhuma à "Costa" e ainda menos a Sesimbra, não lhes vejo graça nenhuma.

Luis Eme disse...

Tens razão Ida.

O Mar é especial, é forte, cheiroso, húmido (gosto muito de sentir a maresia no rosto...) intenso, selvagem...

Deve ser por isso que nos dá força e ânimo para enfrentar a "selva urbana".