sábado, fevereiro 16, 2008

Claro, a Maria Callas...

Esqueci-me da Maria Callas, Alice...
Chamam-lhe a voz do século (XX). E têm razão...
É a voz mais perturbante que já ouvi. Consegue entrar dentro de nós, tal é a intensidade vocal das suas interpretações.
Nunca superou a separação do grego Aristotle Onassis, que a trocou por Jackie Kennedy.
Um dia disse: «A felicidade não é o meu mundo. Há pessoas que nasceram para ser felizes e outras que nasceram para ser infelizes. Eu, simplesmente, não tive sorte.»

10 comentários:

Maria P. disse...

Maria Callas, a voz do século sem dúvida...
"O Mio Babino Caro", gosto.


Um abraço Luís E.

samuel disse...

A Callas, convenhamos, não deu uma grande ajuda à "sorte" pois só uma coisa se podia equiparar à sua imensa arte, que era o seu imenso mau-génio.

Sophiamar disse...

E n�o � que me apercebi agora que aceitaste j� este desafio? V� l� refere a Sophiamar como tua desafiadora tamb�m. Como? N�o sei. Faz l� isso.

Beijinhossssss

p.s. Pink Floyd, adorei!

Um Momento disse...

E como concordo contigo...

Deixo um beijo:))

(*)

alice disse...

:)

vi um documentário completo sobre a vida dela. é preciso não esquecer que a maria não foi uma filha desejada e toda a vida foi rejeitada pela mãe, que chegou mesmo a dar-lhe maus tratos psicológicos... a lacuna do afecto maternal, sem querer ser freudiana, pode estar na base do mau génio a que alguém acima se referiu.

beijinho, luís *

Luis Eme disse...

Ainda tenho outra história sobre a Maria Callas, para depois...

Ela era única, Maria P.

Luis Eme disse...

Normalmente os grandes génios, têm sempre desiquilibrios, Samuel.

Mas como é a obra que fica...

E a voz dela, é qualquer coisa, faz tremer (nós também tivemos a Amália, para entrar dentro de nós...)

Luis Eme disse...

Está bem, "desafiadora", mas não sei como, Sophiamar.

Só se te acrescentar no "post"...

Obrigado na mesma pela lembrança.

Luis Eme disse...

É realmente única, "um momento"...

Luis Eme disse...

Claro que está. Não foi por acaso que teve uma vida cheia de ilusões e desilusões, Alice...