quinta-feira, fevereiro 28, 2008

Uma Fotografia, Várias Histórias

Estava à procura de uma fotografia, quando encontrei várias imagens das Caldas da Rainha, já com uns anitos.
A que me chamou mais a atenção foi a que tirei ao interior do Salão do antigo Casino do Parque, mais tarde Casa da Cultura da Cidade.
Nota-se que é uma fotografia de Outono, com o chão forrado a folhas douradas, das árvores seculares do Parque D. Carlos I.
Ao olhar para a fotografia, além do ar desolador, que se nota em cada milimetro da imagem, fixei as banheiras enormes que por ali cirandavam, meio perdidas.
Só podiam ser as banheiras do Hospital Termal, onde na minha meninice, tomei bastantes banhos de imersão, porque faziam bem à saúde. Aqueles banhos eram (e se calhar ainda são...) quase como as pomadas de "banha da cobra", vendidas nos mercados, faziam bem a quase tudo. A sua terapêutica recomendava-se para as doenças de pele, doenças respiratórias, entre outras maleitas, com nomes mais técnicos.
Eu só tinha direito a estas "borlas" de imersão, porque a minha mãe foi durante largos anos funcionária do Centro Hospital de Caldas da Rainha...
Não sei se as coisas estão iguais por aqueles lados, se as "ruínas" apresentam o mesmo ar desolador. Calculo que sim.
Nem sei como consegui tirar a fotografia, pois hoje existe um "muro", que esconde esta vergonha (os muros escondem quase sempre vergonhas...) e o desaproveitamento de um edifício histórico, que guarda tantas histórias, dentro da própria história da então vila termal, entre os finais do século XIX e a primeira metade do século XX...

13 comentários:

Maria disse...

Tem um muro sim, que tapa o feio mas que é feio também...
É uma pena que tarde a recuperação daquele espaço, se fosse possível fazer ali uma "rotunda" já estaria arranjado....

Abraço, Luís

Maria P. disse...

Por isso se devem saltar os muros, ou quebrar.

Que...belíssima fotografia...

Beijos de Maio*

alice disse...

uma fotografia onde apetece caminhar e sentir as folhas debaixo dos pés :) beijinho, luís

as velas ardem ate ao fim disse...

Imaginei me a pisar as folhas secas..Que bem que me sinto!
bjinho

Luis Eme disse...

Provavelmente, Maria...

O medo que a cultura faz a essa gente...

Luis Eme disse...

Pois devem, mesmo quando são de betão (o que não é o caso...), Maria P.

Luis Eme disse...

Outono é assim, Alice...

Luis Eme disse...

E olha que o parque das Caldas no Outono continua lindo, Velas, mesmo com as árvores nuas...

porque o chão é de ouro...

Lóri disse...

Foto belíssima, ainda assim. Tens um olhar e uma sorte sem comentários. Qto às propriedades terapêuticas dos banhos termais, tou contigo. É uma delícia ouvir os antigos e outros nem tanto a dar conta dos beneficios de certas "terapias" sem sequer saberem bem do se trata. Adorei teu texto, mas a imagem é hors-concours. Beijos e boa semana, já é quase primavera.

Luis Eme disse...

..."Tens um olhar e uma sorte sem comentários"... (o que será que a Lóri queria dizer?)

E já é quase Primavera, apesar das folhas caídas...

Ida disse...

Não sei se a pergunta é apenas retórica, ou se pra valer, mas já agora, respondo-te. "Sem comentários" é uma expressão que se usa aqui ao sul do Equador, pra enfatizar, dizer q és mesmo sortudo, mas que, para além da sorte, tens muita sensiblidade no teu olhar de fotógrafo. beijos do calor que voltou!

Luis Eme disse...

Mas a resposta é para valer...

não me sinto assim tão sortudo, Ida.

Mas realmente a fotografia ficou gira...

free-way disse...

ainda que com uma imagem desoladora é um dos lugares mais bonitos que já vi!!! Linda a foto...triste saber que está tão desolado.