sexta-feira, agosto 25, 2006

A Descoberta do Castelo de Óbidos


Uma das descobertas mais gratificantes da minha infância, em termos paisagisticos e históricos, foi o Castelo de Óbidos.
Devia ter seis, sete anos na época.
A televisão sempre transmitiu séries que despertavam o entusiasmo e o interesse pela aventura na miudagem. Era comum partirmos em grupo, à procura de coisas que escapavam à banalidade dos nossos dias. Nessa época ainda pensávamos que existiam "tesouros" à nossa espera, em lugares especiais e misteriosos.
Houve então alguém que sugeriu que deviamos visitar o Castelo de Óbidos.
Como devem calcular, a viagem foi marcada com pompa e circunstância.
Munidos de mochilas, com os apetrechos que víamos nos filmes - cordas, navalhas, lanternas, etc - ai fomos nós, pelos pinhais fora. Recordo que houve alguém que disse que o caminho mais rápido, na direcção do Castelo, era seguir a linha do comboio. Concordámos em utilizar o caminho de ferro como referência, mas à distância. Estavámos fartos de ouvir falar de histórias de pessoas que ficavam debaixo das máquinas dos comboios, porque estas eram de tal maneira poderosas, que conseguiam sugar as pessoas que estavam por perto.
Algumas destas histórias que os adultos nos ofereciam, para termos cuidado com o mundo que nos rodeava, acabavam por surtir efeito.
Uns quilómetros mais à frente, descobrimos, finalmente, o Castelo.
Apesar de ainda estar distante, olhar aquele monumento imponente, daquele sitio alto, foi uma coisa fantástica para todos nós.
Acabámos por voltar para trás, felizes, por termos descoberto, que o Castelo de Óbidos existia mesmo, e era uma coisa enorme, construida em cima de um monte, para evitar a visita dos inimigos.
A viagem até às suas muralhas, acabou por ficar adiada para outro dia...

2 comentários:

jcfrancisco disse...

Eu apanhei o «Sir Lancelot» e o «Robin dos Bosques» e tinha uma espada de madeira. O Importante eram os sonhos porque até aos 7 anos ficamos «prontos»; tudo o resto são remendos...

Luis Eme disse...

Além do Robin dos Bosques e do Sir Lancelot, havia ainda os nossos heróis das conquistas. O D. Afonso Henriques e sua espada gigante, aparecia sempre à cabeça dos caçadores de mouros e castelhanos...