quinta-feira, setembro 21, 2006

A Importância das Palavras



Esta fotografia de José Águas a erguer a Taça dos Campeões Europeus tem um significado especial para mim. Vou mesmo mais longe, embora não esteja completamente certo disso, penso que é ela a grande responsável por ser benfiquista.
Sem saber explicar muito bem o porquê, sei que na minha meninice, ficava parado, deslumbrado, a olhar para esta imagem vitoriosa, pendurada na sala da casa de um dos meus vizinhos.
Claro que não estou aqui para falar do meu “benfiquismo”, que nunca foi muito doentio, nem mesmo na adolescência. Estou aqui sim, para salientar a importância das palavras que trocamos com os outros, mesmo sabendo que se vive num tempo, quase sem espaço para conversas, para lá do bom dia e boa tarde. A convivência nos lugares onde vivemos é o melhor exemplo do que acabo de dizer.
O que é facto, é que conversar continua a ser uma prática deliciosa. E quando o interlocutor é uma pessoa por quem sentimos empatia, somos capazes de estar horas e horas à conversa, sem dar qualquer espaço ao silêncio. Foi exactamente isso, que aconteceu na tarde de ontem, na esplanada de um pequeno café de Cacilhas.
O meu encontro com António Cagica Rapaz - um nome que é facilmente identificável por todos aqueles que acompanhavam o futebol na década de sessenta e princípio de setenta, pois pisou os nossos principais relvados com as camisolas da Académica, CUF e Belenenses. -, foi pretexto para uma conversa extremamente rica, sobre pessoas, lugares, livros, jornais, futebol, política, etc. Mas o melhor da conversa, foi falarmos de algumas pessoas que nos diziam muito, pelas mais variadas razões.
Um pequeno exemplo da nossa conversa, foi o “encontro” com dois extraordinários futebolistas, que se existir futebol no paraíso, continuam a marcar grandes golos. Estou a falar de Matateu e José Águas. Cagica complementou a ideia que eu tinha destes magos da bola, exímios na arte de meter golos, que por não serem do meu tempo, não me deram a felicidade de os puder ver jogar, ao vivo.
Matateu era um espectáculo dentro e fora dos relvados. A facilidade com que marcava golos e a sua alegria natural, faziam que tudo á sua volta se transformasse numa festa. Amava a boa vida e gostava de estar sempre com uma “fresquinha” nas mãos. Não tenho dúvidas que a sua vida poderia dar um grande filme, embora não existam actores com capacidade para fazerem de “Matateu”, dentro dos relvados...
José Águas foi um dos melhores jogadores portugueses a movimentar-se dentro de área e um dos avançados mais elegantes do nosso futebol. Ainda tive a felicidade de o conhecer, na minha actividade jornalística, e fiquei com a melhor das impressões.
Obrigado Cagica, pelas palavras, pelos livros e pela amizade...

11 comentários:

Pedro Farinha disse...

Há momentos assim, em que conseguimos numa só tarde viver toda uma geração.

Luis Eme disse...

Podes crer Pedro. É uma pena esquecermos com demasdiada facilidade, que é a falar que nos entendemos.

jcfrancisco disse...

Já é a terceira vez que tento... Quero dizer que este belo texto faz o resgate do vómito do Miguel Sousa Tavares em Junho de 2006 quando em pleno Mundial da Alemanha ecreveu em A BOLA que «ao contrário de Moçambique, Angola nunca deu ao Mundo jogadores excepcionais». O parvo esqueceu o Fernando Peyroteo, o José Águas, o Jota Jota, o Dinis, o Zé Maria e tantos outros. Um abraço de parabéns!

Luis Eme disse...

Obrigado pelas palavras elogiosas, e sobretudo pela publicidade feita a este blogue na "Estrada de Macadame", através de uma excelente crónica publicada na "Gazeta das Caldas", com um título, também ele, especial: «Ó Salir de Matos / terra de mil encantos...»

lena disse...

:)

Pink disse...

Não sou grande apreciadora de futebol e do Benfica ... enfim, ainda menos :-). Contudo, li o teu artigo com todo o agrado. Há momentos e pessoas como essa com quem estiveste - especiais!

Um beijo

António Cagica Rapaz disse...

A conversa é como o tango, são precisos dois.
Pela minha parte, só falo muito quando estou em sintonia, e foi o que aconteceu com o Luís.
Foram quase três horas, sem intervalo, bola cá, livros lá, mas sempre a comunhão de ideias e valores, uma visão convergente sobre a vida, a literatura, o jornalismo, a elegância do Águas, as explosões do Matateu e a figura longínqua (mas tão próxima) do Romeu Correia.
E tudo graças aos blogues que nos aproximaram.
E o nosso jogo de cumplicidades vai continuar...

Luis Eme disse...

Imagino que deves ser Portista, Pink, o que é perfeitamente natural, dadas as tuas origens. A gente do futebol costuma dizer, que ninguém é perfeito... mas isso é mais uma graça, que outra coisa.
Como deves ter observado, este blogue é mais pessoal que o "Casario", porque é escrito de memória...

Luis Eme disse...

Pois é Cagica, depois da cumplicidade das palavras ditas, surge agora a cumplicidade das palavras escritas... neste "Libero e Directo", que viaja por todos os espaços do futebol, onde até "O Menino" é gente importante, vestido de azul, claro.

Nia disse...

E...nessa conversa sobre futebol não falaram do homicídio do árbitro José Azeredo em Selir? ;)

Luis Eme disse...

Por acaso não falámos da morte do árbitro, falámos sim da minha ingenuidade quando escrevi o romance "Bilhete para a Violência" há quinze anos. Nessa altura pensava que a maior parte dos árbitros eram honestos, quando na realidade, se passa exactamente o contrário...