sábado, agosto 11, 2007

As Corridas Diárias Entre as Caldas e a Foz

Nos anos setenta e oitenta a bicicleta era o transporte principal do meu grupo de amigos, que preenchiam as férias grandes com muita praia e muito desporto.
Esta onda desportiva tinha início no percurso feito de bicicleta entre as Caldas e a Foz do Arelho, realizado quase sempre num ritmo bastante competitivo, com a motivação da Volta a Portugal e também com as marcas na estrada de alcatrão, da estafeta pedestre organizada na Primavera pelos "Os Tufufos". De dois em dois quilómetros lá estava eu em ensaiar uma fuga e a ganhar mais uma "meta-volante".
A vingança estava destinada sempre para o fim, quando na entrada da vila os meus companheiros mais velhos (Vitor, Fernando, José Luís e Eduardo) começavam a pedalar e a desaparecer. Só os voltava a encontrar junto ao mar, onde deixávamos as bicicletas presas...
Chegámos a fazer estes dez quilómetros em pouco mais que dez minutos... e nem tão pouco ligávamos ao facto da estrada ser perigosa (na adolescência somos assim)...
Já na praia, além dos festivais diários de mergulhos na aberta (com uma prancha improvisada - saca de tecido cheia de areia), ainda íamos a trote até ao cais, onde mergulhávamos e regressávamos a nado até à aberta, aproveitando a boleia da maré vazante...
Também havia o futebol de praia, as raquetadas e as brincadeiras nas ondas, quase sempre selvagens do verdadeiro Mar, que desafiávamos, também com alguma inconsciência, apesar de sermos quase todos exímios nadadores...
O mais engraçado é que este quase ritual acompanhou várias gerações, que mostravam um grande orgulho em pertencerem aos "ibéricos"...
Eram tempos felizes e descontraídos...

Esta prosa está ilustrada com o óleo "Bicycle Race", de Lyonel Feininger.

10 comentários:

Maria P. disse...

Momento para referir o Joaquim Agostinho, homem do Oeste.

Um abraço

Maria disse...

Que saudades desses mergulhos no cais, Luís...
Na vazante nem tínhamos muito que nadar, bastava "boiarmos" e num instante estávamos na aberta....

Cristina disse...

hoje apeteceu-me vir ao Oeste :)

saudades das minhas(nossas) gentes ;)

Ida disse...

Isso não é direito, tirar assim o sossego anestesiado de proletários professores como eu com lembranças que trazem esse ar mortalmente atraente e, ao mesmo tempo, nos fazem lembrar o quanto deixamos lá atrás e não volta nunca mais. Bolas, parece que o mundo hoje está a conspirar para me fazer passar por isso. Até tu, meu caro Guardador! Mas o fazes de uma forma deliciosa... tás perdoado. Beijo.

Ze Ventura disse...

Os Tufudos, os Estrelas, o Barracanense e mais tarde o Real Sociedeade, foram o "Prec" do movimento associativo das Caldas, e do qual eu tenho muita satisfação de ter feito parte.

Luis Eme disse...

Esqueci-me de Agostinho, essa grande fonte de inspiração do pedal. Um verdadeiro campeão do Oeste, Maria, como muito bem referes.

Luis Eme disse...

Pois não Maria, era tão fácil acompanharmos a maré...

Luis Eme disse...

Fizeste bem vir ao Oeste, Cristina.
´
Continua a ser uma região cheia de atractivos.

Luis Eme disse...

Pois é, Ida, há coisas que não voltam mesmo...

restam as recordações...

Luis Eme disse...

Gostei da expressão "PREC" do associativismo, Ventura.

Não sei se sobrou algo desses memoráveis clubes, além das recordações e de alguns almoços de confraternização...