sexta-feira, agosto 17, 2007

O Velho Conto do Vigário

As pessoas do campo sempre foram demasiado simples - embora hoje se tenha perdido muita dessa simplicidade, por se ter quase abandonado o trabalho dos campos e pelo ambiente de globalização que se vive, primeiro com a televisão e depois com as novas tecnologias..., - e até ingénuas. É por isso que ainda existem alguns indivíduos de meia idade a caírem em alguns "contos do vigário", principalmente em feiras e romarias...
Pensava que já não se usava a técnica da carteira recheada de notas, prontamente substituída por uma cheia de pedaços de jornal... mas ainda se usa, e o mais grave, é que ainda há quem caia...
Foi o que aconteceu ao Tio Alfredo, há um ano e poucos dias, durante a Feira de 15 de Agosto das Caldas. Estou a falar de um daqueles aldeões que ainda gosta de "carregar" a carteira em dias de festa...
Estava numa barraca de comes e bebes a beber uma cerveja com uns amigos - parece que até à velha guarda já perdeu o hábito de beber vinho, cheio... -, que fez questão de pagar, exibindo o mostruário de notas de vinte e de cinquenta euros a quem quisesse olhar.
Os "contistas" deviam estar à espera de alguém, com os atributos do Tio Alfredo para lançarem a carteira para o chão, para ver o que dava...
E deu. O aldeão fiou-se no marmanjo que, desta vez nem sequer falou em dividir o dinheiro, mas sim em o entregar ao dono - vejam lá que a carteira até tinha cartões, a verdadeira claro -, e foi à procura de um local para anunciar que se tinha encontrado uma carteira. Como fiel depositário da carteira, o Tio Alfredo foi na cantada do vigarista e deu-lhe 150 euros, dos quase duzentos que tinha na carteira, não fosse fugir com os mais de quinhentos que enchiam a dita cuja. É que o outro sujeito, rematou-lhe, que nestes tempos não se pode confiar em ninguém. E estava bem certo...
Passaram-se dez minutos, um quarto de hora e o homem começou a achar grande a demora. Por curiosidade resolveu abrir de novo a carteira que lhe tinha sido confiada e que o "artista" tinha colocado num pequeno saco de plástico, para não dar muito nas vistas. Tal não foi o seu espanto quando descobriu o tradicional um molho de pedaços de jornal, dentro da carteira...
O mais curioso é que o Tio Alfredo era uma daquelas pessoas que estava farta de ouvir falar do "conto do vigário" e dizia sempre que nessa não caía...

Embora possa parecer ficção, isto aconteceu mesmo, em 2006. Claro que o sujeito em causa não se chama Alfredo, nem é meu tio, mas mora na freguesia de Salir de Matos. Escolhi "Os Jogadores" de Paul Cézanne, para ilustrar este texto, porque a vida é sempre um jogo...

6 comentários:

Maria disse...

Esse "tio Alfredo" é um homem bom.... e ingénuo, como dizes...
No domingo estavam a "montar" a feira, eu na encosta do sol, o barulho da festa não mudou muito...

Maria P. disse...

Ainda acontece infelizmente.

Excelente ilustração para o post, o meu preferido - Paul Cézanne.

Um abraço Luís*

AnaG. disse...

Depois de tanta informação, fico admirada como acontece com tanta frequência. Não há dúvida que sabem escolher bem as suas vítimas, os ingénuos e os bons...

Beijitos

Luis Eme disse...

Por acaso é boa pessoa, Maria.

Claro que perdeu mais um pedaço da ingenuidade que ainda o caracteriza, nesse final de manhã...

Luis Eme disse...

Pois acontece Maria P., mais vezes do que julgamos...

Também gosto do Cézane...

Luis Eme disse...

Acho que escolhem pessoas avessas às mudanças, Ana. Pessoas que ainda confiam nos outros, que ainda são capazes de sair de casa, com a chave na porta, que estão sempre prontas a ajudar, mesmo desconhecidos, etc.

Gente que parece já não pertencer a este mundo egoísta e individualista, apesar de nos oferecerem tantas lições de vida...