quarta-feira, agosto 22, 2007

Camas de Feno


As vindimas serão sempre a minha actividade campestre de eleição.
Quando me recordo das muitas aventuras que partilhei com o meu irmão, nas vinhas, nos percursos acidentados e depois no lagar, com a cumplicidade do avô, do pai e dos tios, sinto sempre uma grande nostalgia...
O ambiente da vinha também era bastante alegre e festivo. Havia sempre alguém, capaz de animar toda aquela gente, com alguma coscuvilhice engraçada ou ainda com anedotas e ditos populares, que acabavam por deixar toda a gente a sorrir.
Quantas vezes não ouvíamos a avó ou alguma tia, a dizer para taparmos os ouvidos...
Também íamos conhecendo pessoas novas, algumas com histórias de vida singulares...
Nas muitas conversas que se desenrolaram nas vinhas, nunca esqueci o relato de um homem, que nos contou um episódio, que achei único na época: a primeira vez que descobriu que existiam lençóis foi quando foi para a tropa... Até aí sempre dormira em camas de palha, por sinal bem macias, no palheiro, com a companhia dos animais da casa.
Nunca tinha imaginado até então que pudesse acontecer tal coisa...
Recebi mais uma lição de vida sobre as diferentes vivências de cada um de nós, constatando que as histórias sobre os tais berços de palha e de oiro, não era apenas uma lenda...


Escolhi um Picasso especial para ilustrar este texto, "Camponeses Dormindo"...

12 comentários:

Maria disse...

Eram outros, os tempos...
... e tão difíceis para alguns....

Maria P. disse...

Recordações não da vindima mas da: apanha da azeitona no alentejo, que saudades da casa da Avó Rosa...

As coisas que tu me fazes pensar!

AnaG. disse...

Gosto de passar por aqui.

Além de me deliciar com a tua escrita (porque o fazes muito bem), há sempre uma recordação que se aviva.

Beijitos

Rosa dos Ventos disse...

Herdei, juntamente com a minha irmã, a velha casa onde ainda está o lagar do meu bisavô!
Cheguei mesmo a andar lá a pisar uvas. ...
Tenho também muito boas recordações das vindimas com o meu avô paterno!
Abraço

Vieira Calado disse...

Vivi em pequeno no campo, em casa de meus avós. Sei como é. E aprendi em dois anos, muito do que hoje me corre no sangue.
Um abraço

Luis Eme disse...

É verdade Maria...

Luis Eme disse...

Eu gosto de te fazer pensar, Maria P...

Luis Eme disse...

A vida alimenta-se tanto de recordações, Ana...

Luis Eme disse...

Agora és tu que me fazes lembrar coisas...

Os meus pais também herdaram uma pequena adega onde havia o lagar, mas inevitavelmente acabou "anexada", pelos compradores da casa da avó (o centro paroquial da aldeia...).

Espero pelo menos que aquele espaço sirva a população, Rosa...

Luis Eme disse...

O mais engraçado Vieira Calado, é que na altura, tudo aquilo que é campo, parece insignificante, mas com o passar dos anos, percebemos que ficou bem seguro nas nossas memórias...

A COR DO MAR disse...

... este picasso faz-me recordar a minha infância e parte da minha familia desse tempo

Um beijo para ti Luis (bizinhu)
:)

Luis Eme disse...

Um beijo para ti também "Cor do Mar"...