segunda-feira, outubro 22, 2007

Os Espantalhos

Ao descobrir esta fotografia voltei à minha infância.
Voltei a inventar formas de tornar os espantalhos que o avô colocava nas fazendas mais humanos, juntamente com o meu irmão...
Sim, mais humanos, ou seja, com roupas, chapéus, rosto e até mãos, com dedos palha...
Pedíamos à avó roupas velhas, esburacadas com o uso, chapéus sebentos que já ninguém usava e construíamos as nossas primeiras (e únicas...) esculturas, com alguns laivos de arte...
Recordo que o avô preocupava-se mais com os movimentos que ele fazia, colocando vários objectos móveis, que abanavam e projectavam sons, quando o vento soprava, afastando as aves das colheitas...

20 comentários:

Maria P. disse...

Estes posts são belíssimos!
Já sei que consideras soar a "italiano" o adjectivo, mas o facto é que eu adoro fazer espantalhos e claro fiquei encantada com este!

Beijinho*

Pitanga disse...

Olha, amigo Luis, quando estive este ano aí, vi em vários quintais, ao lado das casas, uns móbiles feitos com cds velhos que reluziam e, é claro, faziam barulho. Nem me passou pela cabeça que aquele "artefato" era para espantar os pássaros das cerejeiras e de outras árvores de quintal...mas eram. Que pena!

abraços

Cris Caetano disse...

Fizeste-me recordar qualquer coisa que na minha memória estava esquecida. :)
Infelizmente perdi meu avô muito cedo, eu tinha nove anos, mas eu vivia grudada nele. :)
Beijos

Anónimo disse...

Caro Luis
na realidade, espreitar este espaco eh abrir uma janela para a memoria sentada num velho banco de quintal e ver o mundo pequenino passar...Este espantalho estah um pouco diferente dos que tenho em memoria, talvez esteja um pouco burberrys look e aqueles garrafoes ficam bem equilibrados....esta eh a imagincao do povo da aldeia, mudam-se os tempos, mudam-se as roupas....os espantalhos do nosso imaginario..
obrigado
Vitor Pires

Sininho disse...

E eram tão giros os espantalhos!
Agora não estão para se maçar, resolvem o assunto com uns horrendos sacos de plástico...

Abraço

Maria disse...

E os espantalhos na nossa zona eram muitos, na época, pois havia árvores de fruto um pouco por todo o lado, onde agora existe betão.....
Então nos quintais dos "casais" eram dos mais variados, até com panelas velhas a fazer de chapéu...
Do que tu te foste lembrar, Luís...

Beijinho
(claro que ouvi o charanga, continua no prato do gira discos...)

as velas ardem ate ao fim disse...

Para mim as vezes recordar é mmo viver.

bjinhos e bfs

Rosa dos Ventos disse...

Vi esta semana na televisão uma reportagem sobre espantalhos a partir de uma terra cujo nome não recordo.
Não eram espantalhos, eram um espanto! Engraçadíssimos!

Abraço

Luis Eme disse...

é uma optima ideia fazer espantalhos, Maria P.

E podes usar os superlativos, sempre que quiseres...

Luis Eme disse...

Tens razão, Pitanga, agora usam-se muito os cd's por causa do brilho e do som (produzido pelo vento claro)...

Luis Eme disse...

Espero que tenham sido boas as recordações, Cris.

Luis Eme disse...

Caro Vitor,

com os campos tão abandonados, começa a ser uma raridade, descobrirmos espantalhos...

Luis Eme disse...

Tens razão Sininho.

Há um abuso do plástico, até nas cidades, para afastar os pombos das varandas...

Luis Eme disse...

Pois eram, Maria...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...

Luis Eme disse...

Recordar é sempre "viver", Velas...

Luis Eme disse...

Não vi a reportagem, Rosa.

Mas para terem direito a um minuto de fama deviam ser especiais...

Cris Caetano disse...

Muito boas, Luís! :)
Beijinho

Luis Eme disse...

Pois são, Cris...

APC disse...

Sabes que quando vou por aí, por este Portugalito afora, quando vejo um espantalho não resisto a apear-me e a tirar-lhe uma fotografia? :-)

O teu avô era engenhocas, hem? :-)

Luis Eme disse...

Deves ter uma boa colecção, APC...

Em relação ao meu avô, sabes que a necessidade aguça o engenho...